Arquivo do autor:marcos

Ótimo

A porta de aço subiu. “Bom dia, vamos acordar?”. Estava escuro, eu tinha quase conseguido esquecer. Um fio de ar frio escorrendo pelas frestas do cobertor. O funcionário vinha de Guaianazes, salvo engano, e se instalou com um bocejo atrás … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

Um purista

“Sou macho pra caralho”, dizia, desde os nove. Tinha sido o primeiro do prédio a descobrir a punheta, traficar revistas pornográficas, bolinar a filha do síndico. Entre pogobol, patins e futebol, fazia críticas minuciosas sobre tetas, coxas e bundas. Sua … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

Amortecedores

Na atmosfera, hoje, havia uma espécie de mau-olhado. Em suspensão, visível como a poeira iluminada por uma fresta na janela. Quarta-feira. Era algo surdo, perigoso, pegajoso. Fim de dezembro. Fim de tarde. Um besouro muito preto e alongado batia no … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 2 Comentários

Pulôveres

Tentei arrancar a verdade pela raiz. Quebrou no talo. Retirei com cuidado a raiz da terra, pus num molho de nutrientes: leite com pêra, ovomaltino, água de coco e vodka. Não vingou. Passei alguns dias a pão, água e ourivesaria. … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 2 Comentários

quando você para de olhar, aquilo não está mais lá

despertador. “não é possível, justo agora. estava na praça, prestes a”. alcança cego o botão soneca. aos nove minutos retoma o sonho. aos dez, despertador. conforma-se, levanta, vai ao banheiro, escova os dentes, toma banho, esquece, enxuga-se, liga o rádio, … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 3 Comentários

Vai que dá

Por anos fui um corredor de ônibus. Não era esporte olímpico, então. Não é agora, com sorte nunca será. Exige um desprendimento descomunal, muito equilíbrio e, sobretudo, muito arranque, principalmente nas ladeiras de Santa Teresa ou da Lapa. Meus melhores … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

Abelha, salgada

Foram meses até eu criar coragem pra por os ácidos em seu sanduíche noturno. Escovou os dentes e fez um gracejo sobre a música calma que eu ouvia (“tá hipponga hoje, gatinha :) “). Deitou ao meu lado. Deu-me o … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário