Romantismo

20130425-024417.jpg

Fazia duas horas desde que o astro em torno do qual giravam os planetas de seu sistema solar tinha desaparecido no horizonte, tinha um ser humano sentado na cadeira a sua frente, que dizia ter 25 anos, ter características psíquicas determinadas pelo alinhamento orbital de saturno e de estrelas longínquas aparentemente agrupadas, que deste ângulo da galáxia pareciam, de maneira a forçar a imaginação, formar o desenho de uma figura mitológica da Grécia antiga, tudo isso no dia em que foi expelido do ventre de sua mãe; apoiar entusiasta e incondicionalmente a instituição de esporte, o que girava em torno do direcionamento cooperativo de esfera de ar envolto por pele curtida costurada de outros animais por dois grupos rivais, que se representava pela cor verde; gostar de comida preparada ao estilo cultural dos povos que escreviam por ideogramas; entender que estruturalmente as coisas pareciam ir bem da maneira como estavam organizadas, com algumas ressalvas pontuais e aparentemente sem perceber implicações na divisão dos recursos, em estruturações de poder e onipresença de ilusionismos coletivos; almejar que dentre algumas voltas mais do planeta ao redor da estrela ela mesma esteja apta a expelir um descendente com sua própria metade de carga genética replicada, de preferência retirado artificialmente sob os auspícios dos determinismos benfazejos de algum conjunto visual de estrelas categorizados com o elemento alquímico água, para tanto sendo imprescindível um outro ser humano comprometido com o investimento de recursos emocionais, materiais e tempo; gostava de se deslocar e se alojar no maior conforto possível em lugares em diferentes graus de afastamento de seu núcleo populacional, adquirir seus produtos marcados por traços por assim dizer exóticos, dado o contraste de usos e costumes na distância e no trato com o meio diferenciado; costumava ingerir, como agora, beberagens resultantes de fermentações de alimentos nas quais se sobressaiam o álcool como produto final, de preferência as que partiam da uva e de produção mais elaborada, talvez como resultado da manifestação do valor de diferenciador social daquela bebida, quase inevitável num meio marcado pelo desequilíbrio na posse e no aproveitamento dos recursos; gostava de ver sequências de imagens dinâmicas que acabavam por se fechar numa historia na qual dois seres humanos que tinham muito em comum e se desejavam enfrentavam percalços e dificuldades as mais estapafúrdias e finalmente os venciam e juntavam seus egoísmos; tinha como fato inconteste, e se entusiasmava com a ideia, de que um tal de deus havia criado tudo o que existe e todas as formas de vida a partir de coisa nenhuma, como cenário para os atores principais, os seres iguais a ela que eram amados e acompanhados de perto individualmente pelo demiurgo a fiscalizar o cumprimento de sua série de regras impraticáveis; acompanhava quase todos os dias em suas horas de liberdade, quando não estava a vender seu tempo em troca de recursos de necessidades reais ou imaginárias, o que era difundido na tela eletrônica colorida que quase todos tinham em casa; contava como os outros seres humanos que vendiam seu tempo no mesmo local que ela não se dedicavam o suficiente ou não mergulhavam completamente na atividade ou não eram confiáveis, informações obtidas à custa de destilação de longas histórias, as quais flutuaram pela mesa e pelas garrafas por mais de duas voltas do ponteiro longo do aparelho que fazia o paralelo entre o girar do planeta e ângulos do mostrador. Finalmente achou um momento propicio e pediu licença àquele ser curioso a pretexto de aliviar algumas necessidades biológicas no recinto apropriado, deixou discretamente o montante devido de créditos-recursos, relativos ao consumo das beberagens e ao tempo do homem que os tinha servido, em forma de transferência eletrônica remota e saiu ganhando a calçada, uma chuva fina deu-lhe as boas vindas, não impedindo que se pudesse admirar perto do cimo dos prédios a oeste, escapando das nuvens que tomavam quase todo o céu, a linda lua que exalava seus perfumes pela cidade, a mesma que vinha entretendo os sonhos dos homens há milhares de anos…

Anúncios
Esse post foi publicado em cima da hora. Bookmark o link permanente.

diga lá

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s