Arquivo do mês: abril 2013

Amortecedores

Na atmosfera, hoje, havia uma espécie de mau-olhado. Em suspensão, visível como a poeira iluminada por uma fresta na janela. Quarta-feira. Era algo surdo, perigoso, pegajoso. Fim de dezembro. Fim de tarde. Um besouro muito preto e alongado batia no … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 2 Comentários

Romantismo

Fazia duas horas desde que o astro em torno do qual giravam os planetas de seu sistema solar tinha desaparecido no horizonte, tinha um ser humano sentado na cadeira a sua frente, que dizia ter 25 anos, ter características psíquicas … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

Pulôveres

Tentei arrancar a verdade pela raiz. Quebrou no talo. Retirei com cuidado a raiz da terra, pus num molho de nutrientes: leite com pêra, ovomaltino, água de coco e vodka. Não vingou. Passei alguns dias a pão, água e ourivesaria. … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 2 Comentários

Nada de novo debaixo do sol

O cheiro era de velas, flores e piadas fajutas, as primeiras a notar o movimento foram umas poucas moscas que vinham insistindo em pousar no velho Mascarenhas ainda com o desestimulo de um véu estranhamente encardido para seu uso único … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

quando você para de olhar, aquilo não está mais lá

despertador. “não é possível, justo agora. estava na praça, prestes a”. alcança cego o botão soneca. aos nove minutos retoma o sonho. aos dez, despertador. conforma-se, levanta, vai ao banheiro, escova os dentes, toma banho, esquece, enxuga-se, liga o rádio, … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | 3 Comentários

Labirinto

  No começo disseram que não era possível, depois que talvez, respeitadas algumas condições francamente obscuras, de modo que nessas já iam mais de três semanas, tempo em grande parte gasto em telefonemas impertinentes, preenchimentos de formulários de lógica indecifrável … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário

Vai que dá

Por anos fui um corredor de ônibus. Não era esporte olímpico, então. Não é agora, com sorte nunca será. Exige um desprendimento descomunal, muito equilíbrio e, sobretudo, muito arranque, principalmente nas ladeiras de Santa Teresa ou da Lapa. Meus melhores … Continuar lendo

Publicado em cima da hora | Deixe um comentário